Pular para o conteúdo

Vale a pena comprar ou trocar de carro em 2021?

Publicidade

 

Mesmo no contexto de crise econômica, a vontade de comprar carros aumentou. Veja se é viável comprar ou substituir carros em 2021.

Publicidade

Apesar da grave crise econômica, o desejo dos brasileiros de comprar ou substituir carros aumentou durante a pandemia.

Encomendada pela American Automobile Manufacturers Association (Anfavea), uma pesquisa realizada pelo Webmotors Auto Insights Institute mostrou que a disposição para comprar ou trocar aumentou.

No entanto, essa situação ainda é incerta em termos de emprego e renda. Além disso, os preços e os juros do financiamento de automóveis estão em alta em 2021.

Quer comprar um carro ou trocar um carro

Pesquisa encomendada pela Anfavea mostra que 96% dos entrevistados planejam comprar ou substituir carros em 2021 e esperam concluir a transação nos primeiros 6 meses deste ano.

A pesquisa foi realizada com 2.103 usuários do site Webmotors, portanto é necessário considerar que a amostra foi realizada com pessoas que passaram por um portal de compra e venda de veículos.

Mesmo assim, a pesquisa ainda mostra otimismo para este ano. Apesar do impacto negativo da crise na saúde, a indústria automotiva em novembro de 2020 ainda está em seu melhor período.

Como outras indústrias, essa indústria teve um grande impacto na pandemia porque as fábricas ficaram completamente paralisadas por vários meses.

A produção ainda é bastante afetada pela crise, seja pela falta de insumos e componentes, seja pelos acordos de saúde e segurança da fábrica.

A produção em 2020 chegará a 1,8 milhão de veículos, valor inferior à produção de 2019.

De acordo com a previsão da consultoria Jato Dynamics, as vendas de automóveis no Brasil em 2020 serão de 1,9 milhão e em 2021 deverão ficar entre 220 mil e 2,4 milhões.

Pelas estimativas da consultoria, isso significa que as vendas de carros novos vão aumentar de 16% a 26% neste ano.

Quanto deve custar para comprar ou trocar um carro?

Embora o setor esteja muito otimista, não se pode dizer que 2021 será um bom ano para comprar ou trocar carros.

Isso ocorre porque muitas pessoas usaram a crise para chegar a um bom negócio. Portanto, muitos revendedores não possuem estoque suficiente, o que limita o espaço para negociação de preços.

Vale lembrar que existem dois motivos principais para que todas as montadoras reajustem os preços dos automóveis: dólar alto e falta de insumos e peças.

Para 2021, existe a possibilidade de que o dólar americano não se valorize ou mesmo se desvalorize. Se isso acontecer, o preço pode ser mantido.

Nesse caso, pode ser viável esperar um momento e ver como o preço se comporta.

Juros de financiamento não devem subir muito
Na comparação com o mesmo período de 2019, o total de recursos liberados no terceiro trimestre de 2020 pela Associação Nacional das Montadoras e Financeiras (Anef) diminuiu 7,6%.

Nesse período, o valor dos financiamentos às instituições financeiras das montadoras foi de aproximadamente R $ 107 bilhões.

No entanto, a entidade aumentou sua previsão para o desempenho de liberação de recursos para o ano todo, mudando sua contração esperada de 22,6% em julho de 2020 para uma recessão de 11,8%.

Paulo Noman, presidente da Anef, disse que o que está mudando não é a política de análise de crédito, mas a capacidade de pagamento das pessoas.

Portanto, as instituições financeiras das montadoras começaram a reduzir o financiamento durante a crise.

No entanto, disse que o banco desenvolveu um plano de crédito alternativo para estender o prazo de pagamento e reduzir o pagamento de entrada para facilitar a emissão de empréstimos.

Além disso, com a queda da Selic, a taxa de juros dos financiamentos diminuirá em 2020.

Segundo dados do Banco Central, a taxa média de juros para aquisição de automóveis caiu de 21,2% ao ano em janeiro para 20% ao ano em novembro do ano passado.

Especialistas afirmam que até 2021 as taxas de juros de grande parte dos empréstimos e financiamentos de veículos devem seguir o mesmo caminho da Selic e aumentar um pouco, mas nada pode impedir os tomadores.

Como fazer um bom negócio?
Normalmente, o momento certo para substituir um carro é quando os custos de manutenção começam a aumentar. Especialistas afirmam que, antes disso, não há necessidade de trocar o veículo.

Portanto, pesquise o preço e lembre-se do valor que deseja ou pode pagar pelo carro que deseja comprar.

Visite pelo menos três lojas e não tenha vergonha de fazer uma contra-oferta, mas para conseguir a quantidade que deseja ou pode pagar, o preço está muito próximo.

Outra dica mais valiosa é vender o veículo antigo em vez de colocá-lo na concessionária.

E, para quem pretende financiá-lo, o método também é a pesquisa.

As taxas de financiamento oferecidas pelos bancos das montadoras são mais atraentes do que as oferecidas por grandes instituições. No entanto, essa não é a regra.

Lembre-se de que o parcelamento pode fazer parte do orçamento mensal por alguns anos. Não se esqueça de ajustar a parcela do carro e as despesas diárias junto com o veículo às demais despesas previstas no orçamento.

É importante incluir a manutenção, combustível, impostos, seguro, revisão geral e depreciação do carro na conta. Por fim, vale a pena se perguntar se comprar um carro é realmente a melhor opção.

Em alguns casos, cada aplicação é apenas para transporte, e pode ser mais barato alugar ou mesmo contratar um carro.

Publicidade
Boris Camanzi

Boris Camanzi

Especialista em crédito e um amante automotivo. Antes de mais nada, apaixonado por tecnologia e automóveis! Mineiro e bacharelado em Comunicação Social (Publicidade e Propaganda) e MBA em Gestão de Negócios, com mais de 12 anos de trabalho dedicados a área automobilística, sempre fui norteado pela busca da seriedade e credibilidade da informação, tanto no segmento de veículos novos (0KM), seminovos e usados.

Você também pode gostar ↓↓↓