Ônibus Flecha Azul faz última viagem e vira peça de museu

anúncio

O último ônibus Flecha Azul completou sua última jornada nesta semana e agora vai se aposentar em um lugar importante da garagem da empresa. Pela última vez na comemoração dos 65 anos de nascimento de Vieka Cometa, optei pela viagem de ida e volta entre São Paulo e Campinas. A primeira rota é entre São Paulo e Belo Horizonte em agosto.

A seta azul com o prefixo 7455, 1999, 1976 é o mais recente produto da Comtahia Manufatureira Auxiliar (CMA), fundada pela Cometa para a produção de veículos próprios. Depois de vendido para o Grupo JCA, o velho “dinossauro”, um dos apelidos do ônibus, foi gradativamente retirado da frota. Este automóvel foi totalmente remodelado, equipado com ar condicionado, Wi-Fi e bancos em pele, mas mantém todo o encanto e encanto de um autocarro clássico, típico representante do filme americano “On the Road”. Os dois motoristas selecionados para dirigir o “Blue Arrows” usavam uniformes da época, incluindo chapéus e óculos Ray-Ban.

O veículo entra em estado normal de atividade e o preço da passagem é igual ao preço de viagem administrativa equivalente. A cada partida, uma miniatura de uma flecha azul era desenhada nos passageiros. Na fase final, 15 pessoas e seus pares participaram de um concurso cultural, que contou com 193 inscrições. Como todos sabemos, os fãs de ônibus são “experts em trânsito”, e os admiradores da Companhia São Paulo contam uma história de vida envolvendo a Cometa. O grupo ganhou uma passagem de ida e volta para o almoço e contou muitas histórias.

De acordo com o balanço da empresa, entre 24 de agosto e 23 de outubro, foram mais de 24 mil quilômetros percorridos e 2.561 passageiros transportados para destinos nas regiões sudeste e sul do Brasil. São 19 cidades: São Paulo, Belo Horizonte, Juiz de Fora, Pogas de Caldas, Caksanbu, Rio de Janeiro, Volta Redonda, Curry Tiba, e o município de São Paulo, Franca, Araraquara, Ribeirão Preto, Lorena, Itapetina, Santos, Sorocaba, Jong Diai, Campinas e Playa Grande.

Um dos motoristas dos ônibus é Marcos Ernesto, que está na empresa há 11 anos. Ele e Ricieri Antunes foram selecionados entre 1.200 outros pilotos da Cometa. Segundo Ernesto, uma das viagens que mais se destaca é a primeira viagem a Belo Horizonte. Ele revelou: “A Flecha Azul até fechou a rodoviária da capital mineira, e os passageiros e o médico do passageiro se abraçaram e beijaram a lateral e a frente do ônibus”.

O carro tem injeção direta de diesel e um motor em linha de seis cilindros e 360 ​​cavalos de potência. O motorista disse com orgulho: “A vantagem de dirigir este ônibus exclusivamente é que você pode sentir a pegada de mudança e ajuste apenas pelo barulho do motor.”

O jornalista André Accarini, 43 anos, de São Paulo, foi um dos passageiros da última viagem do Flecha Azul.  “Desde que conheci pessoas, tenho gostado muito dos ônibus Cometa. O mais impressionante que ele deixou é o patrimônio da humanidade: os motoristas e funcionários estão sempre atentos. O entusiasmo é tão grande que André (André) Possui três tatuagens com logotipos de empresas: um enorme Halley Comet no braço direito, um logotipo antigo no outro braço e outro cometa clássico da marca “Star”.

Além da etapa final, André também viajou de São Paulo e Araraquara (SP) para Campinas (Santos), lembrando os bons tempos da infância e da adolescência. . “Acho interessante ver a reação das pessoas na estrada. Ele disse:“ Ao dirigir pela esquerda, você pode notar os carros passando quando as pessoas estão tirando fotos. “Esse jornalista, que não se definia como um ‘especialista em transporte de passageiros’, mas como um fã da empresa, pegou um trecho da viagem e postou na internet. Um dos vídeos foi visto 2.000 vezes.“ Você anda surpreso. Ele disse: “Gosto muito do barulho do motor, dos bancos, da suspensão.”

Outro passageiro que reviveu suas memórias na última viagem da Flecha Azul foi Francisco Carlos de Araújo, engenheiro elétrico paulista de 58 anos. Pelo compromisso com o trabalho, está há quase três décadas no estado, quase sempre de ônibus da empresa. Mas a relação com o coletivo é ainda mais longa, vale a pena escolher uma das histórias.

Aos oito anos, Francisco teve seu primeiro contato com ônibus no então tranquilo bairro da Vila Guilherme. Como resultado das obras da orla, o trânsito foi transferido para a rua da família, trajeto de ônibus da garagem da empresa até a antiga rodoviária paulista localizada na Estação da Luz. Na época, a Cometa operava o Ônibus GM PD-4104, importado dos Estados Unidos, apelidado de ” Morubixaba “.

“Posso dizer que foi uma das alegrias da minha infância. O ônibus passou, causando certo congestionamento, fazendo o motor roncar. Ele lembrou que durante os quase dois anos de desvio, sempre pedia ao meu pai para ir lá. Um ônibus, depois, quando ele teve um filho, a situação mudou de novo, e agora é a vez do Francisco filmar o ônibus.

O engenheiro levou a última seta azul de São Paulo para Rio Preto São José de um lado para o outro, ainda sem saber se será um dos vencedores da última volta. Além de ser selecionado, ele também venceu o último microônibus para Campinas. “O mundo é de alta tecnologia, mas perdeu muito do romantismo da época. Os motoristas usam uniformes e chapéus. Existem todos esses códigos nos motoristas na estrada, acenando e piscando faróis e flechas. Com o dia a dia agitado, ninguém vai ver a máquina de novo e só pensa na chegada e saída. Existem ônibus modernos e confortáveis, como o Marcopolo G7. Ele analisou que é bonito, mas ninguém o admira.

Depois de completar 65 viagens e 24 mil quilômetros de percurso, o Flecha Azul 7455 será preservado na histórica série Cometa, na capital paulista, que ainda conta com veículos mais antigos. Ainda não há outras informações sobre a viagem, mas a maquete estará exposta na mostra de carros antigos Viver, Ver e Rever (VVR), no Memorial da América Latina, em São Paulo, de 9 a 10 de novembro.

A empresa não tem planos de vender a miniatura desenhada durante a viagem. “É muito bom ver o reconhecimento e o carinho dos clientes, o entusiasmo das publicações nas redes sociais e a cada post na fanpage. A Cometa e o presidente do Grupo JCA, Carlos Otávio Antunes, disseram:“ Com este evento, estamos muito próximos dos nossos clientes. Somos nós Pretende manter os canais ativos. “

anúncio

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
This div height required for enabling the sticky sidebar