Confira cinco automóveis que podem ter um consumo elevado de combustível, mas desempenho ruim

PUBLICIDADE

Todo mundo conhece um modelo de carro que bebe muito, mas na hora de desenvolver  no trânsito….. nada! Listamos para você cinco modelos que são exemplos clássicos de decepções no quesito economia de combustível

1. Fiat Toro Endurance 1.8

Bem, captadores ágeis valem uma colher de chá: afinal, eles são grandes e pesados, e esses dois recursos sozinhos já aumentam a quilometragem. O problema é que a Toro 1.8 tem valores de potência e torque relativamente baixos, mas isso não significa que a taxa de consumo seja mais razoável. O Toro Endurance é a única versão com motor de 1,8 litros e pesa nada menos que 1650 kg. Para aumentar toda essa massa corporal, são 139 cv de etanol e 135 cv de gasolina, além de 19,3 kgfm de torque no primeiro combustível e 18,8 kgfm no segundo. O resultado é uma relação peso/potência de 11,9 kg/cv e uma relação peso/torque de 85,5 kg/kgfm. Portanto, ambos são bastante desvantajosos. A versão com o novo motor 1.3 turbo tem valores de consumo de combustível semelhantes, mas pelo menos oferece desempenho significativamente melhor.

hyundai tucson

2. Hyundai Tucson (antigo)

Com 1.550 kg, o Tucson não é muito econômico com um motor de 2,0 litros. No entanto, o consumo é exagerado mesmo em relação a outros modelos do mesmo porte: o PBE mostra 5,0 km/l na cidade e 5,8 km/l na estrada com etanol. Com gasolina, o percurso da cidade é de 7,4 km/le da rodovia é de 8,6 km/l. Esses resultados dão ao Hyundai Tucson a pior taxa de consumo de combustível na categoria “SUV compacto” na tabela PBE. Confira outros modelos de médio porte que também são classificados como compactos pelo Inmetro. Para piorar, o motor 2.0 da versão flex produz 146 cv e 19,6 kgfm de torque em etanol, além de 142 cv e 19 kgfm de gasolina, o que não oferece a flexibilidade de um SUV grande. Parte do problema é o design antigo, que inclui uma transmissão automática de quatro velocidades: tudo isso afeta o desempenho e o consumo de combustível.

volkswagen jetta 2012

3. Volkswagen Jetta Comfortline (2.0 aspirado)

A versão mencionada é um motor 2.0 naturalmente aspirado (seu código de design é EA-113), não um motor turbo (EA-888). Em 2011, o conturbado ano do Jetta chegou ao Brasil com um motor ultrapassado. Apesar de seu grande deslocamento, produz apenas 116 cavalos de potência de gasolina e 120 cavalos de etanol. Além disso, produz 17,7 kgfm de torque com o primeiro combustível e 18,4 kgfm com o segundo: portanto, esse número está bem abaixo dos rivais. Na tabela de 2014, o modelo teve médias de apenas 6,1 km/l na cidade, 7,8 km/l na estrada com etanol, 8,8 km/le 10,8 km/l com gasolina no mesmo ciclo. Em 2016, a Volkswagen finalmente substituiu o antigo 2.0 por um 1.4 turbo, que já está disponível em vários modelos da marca. Essa mecânica mais eficiente alimentará o Jetta de geração atual.

volkswagen jetta 2012

4. Chevrolet Vectra Elite 2.4

Esta é uma das terceira geração de novos produtos introduzidos em 2005. Os números de potência na época estavam em torno do mesmo nível das unidades 2.0: 146 cv para gasolina e 150 cv para etanol. Sinceramente, o motor 2.4 rende muito bom torque: 23,7 kgfm para etanol e 23,1 kgfm para gasolina. Mas o maior positivo é o negativo: alto consumo de combustível. O consumo foi tão desproporcional que a Chevrolet chegou a aumentar um pouco o tanque de combustível, de 52 para 58 litros, cerca de dois anos após sua introdução. No final, a Chevrolet finalmente eliminou o motor 2.4. Isso foi em 2009, quando a série foi renovada, com uma versão atualizada do supercharger 2.0: ele podia gerar 140 cv de etanol e 133 cv de gasolina. Mas o consumo é significativamente reduzido.

chevrolet vectra elite 2008 prata dianteira

 

5. Ford Maverick Super (3.0, seis cilindros)

Introduzido em 1973, o Maverick oferecia duas opções de powertrain: um 3.0 de seis cilindros e um 5.0 V8. Introduzido em 1973, o Maverick oferecia duas opções de powertrain: um 3.0 de seis cilindros e um 5.0 V8. O segundo estava naturalmente bêbado, mas por outro lado, deu ao modelo um desempenho incrível para os padrões da época. A primeira é que, apesar do grande deslocamento do motor, mesmo os concorrentes com motores menores não impõem isso aos outros. A Revista Quatro Rodas, edição 156, julho de 1973, testa toda a linha Maverick. Surpreendentemente, em todos eles, o consumo de seis cilindros supera o do V8. Conduzindo a 100 km/h, o primeiro consumo de combustível é de 7,8 km/le o segundo consumo de combustível é de 8,1 km/l. Para a linha de 1976, a Ford finalmente substituiu o motor antigo por um moderno padrão de 2,3 litros de quatro cilindros. Mas era tarde demais: a Maverick faliu em 1979, quando as vendas despencaram.

ford maverick super cinza de frente com home pescando

 

PUBLICIDADE

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
This div height required for enabling the sticky sidebar